Porquê Entre DOURO e MINHO ?


Porque, nasci numa cidade duriense das mais bonitas, Lamego. Porque, migrei para a cidade de Gaia, no início da década de 60, onde vivo a minha juventude, e permaneço até hoje. Porque, a partir da década de 90 divido a minha vida, com Cabeceiras de Basto.
É Entre DOURO e MINHO, porque complemento a minha vida com o rural duriense, o rural minhoto e o urbano, do litoral. Será desta grande região, tão diferente entre as suas gentes, mas tão NORTENHAS, que exporei uma das minhas grandes paixões - como amador e autodidacta - a fotografia, bem como escritos sobre esta tão vasta região...

_____________________________________________________________________________________________

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Aniversário da conquista da Taça Intercontinental - 2004


Passam hoje 13 anos, após a conquista da Taça Intercontinental.




Este olhar é o momento de concentração antes da marcação do 8º penalty, que dava ao Futebol Clube do Porto o 2º título nesta competição.

Esta prova terminaria nesse ano (2004) para dar lugar há atual, Campeonato do Mundo de Clubes ou simplesmente Mundial de Clubes.







Um aparte

(27 de outubro de 2017)
O Conselho da FIFA, reunido em Calcutá, na Índia, decidiu reconhecer como campeãs mundiais de clubes todas as equipas europeias e sul-americanas que venceram a antiga Taça Intercontinental entre 1960 e 2004.
Desta forma, o F. C. Porto vê reconhecidos pelo organismo que tutela o futebol mundial os títulos conquistados em 1987 e 2004, competição que opunha os vencedores da antiga Taça dos Clubes Campeões Europeus (agora Liga dos Campeões) e da Taça dos Libertadores da América.
Os dragões conquistaram o troféu em 1987, ao vencer em Tóquio os uruguaios do Peñarol, e em 2004, os colombianos do Once Caldas.

Aquihttps://www.abola.pt/Nnh/Noticias/Ver/698991

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Edifício mais estreito do Porto


Quem estiver na Praça de Parada Leitão e olhar em frente vê duas igrejas a dos Carmelitas, à esquerda e a do Carmo à direita, separadas uma da outra por um edifício, com cerca de 1m de largura, que é ou foi uma casa de habitação. O estreito edifício tem justificação no facto de que duas igrejas não podiam ter paredes meias.

Segundo li algures, o edifício foi durante muito tempo habitada pelo sacristão e sineiro da Igreja do Carmo.


A igreja dos Carmelitas era destinada aos Frades Carmelitas descalços, a nova igreja do Carmo, aos frades da Ordem Terceira. O Convento da igreja, onde se encontravam os frades, é o edifício hoje ocupado pelo quartel da GNR.




sábado, 4 de novembro de 2017

Ponte D. Maria Pia, faz 140 anos

- Porto e Gaia -



É considerada como uma das maiores obras-primas executadas por Gustave Eiffel (1832-1923) e Théophile Seyrig (1843-1923).

A Ponte de D. Maria Pia é uma infraestrutura ferroviária por onde passava a «Linha do Norte» sobre o rio douro e que liga as cidades do Porto e de Vila Nova de Gaia. Liga o monte do Seminário, no concelho do Porto e a Serra do Pilar, no concelho de Vila Nova de Gaia.

É uma ponte em estrutura metálica. Foi a primeira ponte em que os apoios intermédios foram substituídos por um arco, que então era o maior no mundo, motivo pela qual esta estrutura foi considerada uma das mais arrojadas para a época.

A ponte foi batizada de D. Maria Pia em honra da esposa do Rei D. Luiz I, a rainha D. Maria Pia de Saboia.

Foi substituída pela Ponte de São João, projetada pelo Eng.º Edgar Cardoso (1913-2000) e inaugurada em 24 de junho de 1991.





Datas importantes:

É dado início à sua construção em 5 de janeiro de 1876.
É inaugurada em 4 de novembro de 1877.
É classificada como Monumento Nacional em 26 de fevereiro de 1982.
É classificada pela American Society of Engineering (ASCE) como Internacional Historic Civil Engineering Landmark em 1990.
É encerrada em 24 de junho de 1991.
É considerada pelo jornal The Guardian como uma das 10 mais belas pontes do mundo em setembro de 2013.

Em 2009 teve a última intervenção de obras de restauro.


A utilização atual da Ponte D. Maria Pia é recreativa e cultural.


*

Este post e a Filatelia: 



quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Capela de Carlos Alberto

- Porto -    

A Capela de Carlos Alberto fica no Palácio de Cristal, ao fundo da avenida das Tílias.




Construída no final do séc. XIX, a capela é um monumento em memória do rei do Piemonte-Sardenha, que esteve exilado no Porto, tendo morrido na Quinta da Macieirinha, perto deste local, onde passou os seus últimos dias, veio a falecer a 28 de julho de 1849, com 50 anos. A capela foi mandada construir pela irmã Augusta de Montléar, para honrar a memória do rei.




 

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Igreja Paroquial de Samodães

- Lamego -

Exterior 

Samodães situa-se na margem esquerda do rio Douro, é uma das 18 freguesias do concelho de Lamego, distrito de Viseu.




A Igreja Paroquial de Samodães tem como padroeiro São Pedro.

"A Igreja Paroquial de Samodães é uma igreja primitiva, cuja origem estará pelo séc. IX. Samodães orgulha-se do seu tempo atual. Resultou este da reedificação do primeiro, obras iniciadas no ano 1702 pelo Mestre Domingos Ferreira. Corpo e capela-mor enquadradas de fortes cunhais de cantaria, sobre empenas cornijadas, (Vergílio Correia «Diário de Coimbra»). Possui talha, de elevada expressão artística, do séc. XVIII. Um formoso revestimento de esculturas douradas e policromadas ocupa os topos da capela-mor e nave, dispostos em duas amplas arcadas, que abrigam quer a tribuna do altar-mor, quer o arco triunfal e os altares colaterais, (Vergílio Correia, «Diário de Coimbra»)."

P.S.- Obtive estas informações através da comunidade de Samodães, a quem agradeço a colaboração.






quinta-feira, 20 de abril de 2017

A "Adega do Olho"

- Porto -


A “Adega do Olho”, tem os dias contados, agora que foi vendido a uma imobiliária estrangeira.
A pressão urbanística e turística leva a que estes estabelecimentos históricos da cidade, sejam «empurrados» para o encerramento.
Segundo escreve Hélder Pacheco, a “Adega do Olho” é um verdadeiro monumento da cidade, pleno de sentimento, lugar tripeiríssimo, autêntico e profundo.



Fui lá almoçar, esta quinta-feira (20/4/17), a ementa era composta por tripas à moda do Porto, talvez o prato mais famoso da casa (servido às quintas e sábados), solha frita e costeleta. Sobremesas várias.
Para a mesa vieram as tripas, acompanhadas por verde branco, da casa, a sobremesa uma rabanada para dois (cuidados com o açúcar!). A refeição estava uma delícia.
O ambiente da casa, simples mas muito asseado. A casa esteve sempre cheia.
A conta fez-se logo ali, na toalha, e como dizia alguém ao lado, com preços à moda antiga. Tripas, pão, bebida, 1 sobremesa e 2 cafés, foram 11,80€.



A “Adega do Olho”, situa-se na Rua Afonso Martins Alho, entre as Ruas das Flores e Mouzinho da Silveira, no centro histórico do Porto.
Ler também, sobre este assunto, aqui.


quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Feira e Festas de S. Miguel 2016

- Cabeceiras de Basto -



A feira de S. Miguel, é um acontecimento que data da Idade Média, mas foi D. Dinis que lhe atribuiu importância e a engrandeceu, tornando-a numa das mais famosas de Portugal. Começou por ser uma feira franca e foi sempre muito concorrida por forasteiros que a animavam desde o alvorecer do dia 20 até ao dia 30 de Setembro.
O comércio desenvolveu-se extraordinariamente. Aqui se vendiam as mantas de barroso, o gado bovino e cavalar, mas com o rodar dos séculos, transformou-se também num parque de diversões.
O dia 28 é o dia do grande arraial minhoto que se propaga pela noite dentro, dando lugar às festas da vila no dia 29, dia do padroeiro, Arcanjo São Miguel, notando-se a vistosa e rica procissão, uma das mais afamadas do Minho.
A Feira de S. Miguel teve sempre imensa fama, sobretudo no século XIX, em que muitos forasteiros de diversos concelhos circunvizinhos aqui vinham para armar as suas barracas de comércio. Tal a sua importância, que Camilo Castelo Branco a imortalizou em várias páginas dos seus romances, com numerosas referências. É o caso dos romances «Mistérios de Fafe», «Eusébio Macário», o conto «Como ela o amava» e ainda as célebres «Novelas do Minho».
Para a maioria dos cabeceirenses, a feira e festas tiveram sempre um significado especial. A feira representava o diferente, tudo aquilo o que permitia esquecer por uma hora ou por alguns dias, a rotina do quotidiano e ansiar pelo ano seguinte. A feira anual trazia utensílios requintados que não se vendiam no comércio local, como cutelarias ou instrumentos musicais ou roupa e calçado de melhor qualidade. Trazia as barracas dos jogos e os divertimentos. Faziam-se brincadeiras dignas de ser comentadas todo o ano. Montavam-se barracas de comidas e bebidas onde se podiam comer géneros frescos e a doçaria mais requintada. A feira, tal como a romaria, permitia à mulher a evasão que nas aldeias só lhe era proporcionada pelo ritual religioso, enquanto que os homens tinham oportunidade de tomarem contacto com o mundo exterior através dos mercados mensais. Em Cabeceiras de Basto, este era o único momento e local onde as mulheres exerciam uma função social e eram respeitadas por todos.
Para o imaginário infantil ou adolescente, a feira era os bonecos, os carrinhos, as gaitas, os peões, era, sobretudo a atenção dos adultos.
No mundo rural, todas as distrações andavam ligadas ao convívio entre os dois sexos. As feiras e as romarias eram normalmente assinaladas por bailes, cantares e desgarradas. O espírito da festa parece continuar vivo, para a maioria dos habitantes, enredado na diversidade da região e modulado no decurso dos anos que passam.
Em Cabeceiras de Basto, em torno da feira agregaram-se as “festas do concelho” e hoje, esta terra de características minhotas e frequentes costumes transmontanos, continua a ser durante dez dias, palco de um dos maiores pontos de encontro desta vasta região.

http://cabeceirasdebasto.pt/turismo-festas-turismo-festas-do-concelho

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Wolfgang Schäuble

O homem que DIZ O QUE QUER DIZER, MAS QUERENDO APARENTAR QUE NÃO ERA BEM ISSO QUE QUERIA DIZER !!!


Wolfgang Schäuble é um político alemão do partido União Democrata-Cristã. É desde 22 de novembro de 2005 o Ministro das Finanças da Alemanha.
Descodificando o nome desta «figura»:




quinta-feira, 23 de junho de 2016

Festas de São João

- Porto -

O São João do Porto é a «festa maior» da cidade.
O auge dos festejos acontece na noite de 23 para 24 de Junho.

Preparativos para a GRANDE NOITADA ...


Balões


Manjericos


Sardinhas


Alho-Porro


Martelinhos


Fogo-de-artifício, no rio Douro


segunda-feira, 18 de abril de 2016

Porto em imagens «003»

Barco rabelo a preparar-se para atracar em frente à ribeira do Porto.
Vista da Ponte Luís I. 





domingo, 6 de março de 2016

Todos os caminhos vão dar a Roma ...

ESTÁ CONFIRMADO.
Todos os caminhos vão dar a Roma …

São 486.713 as rotas a partir de qualquer ponto da Europa para Roma.



Ver mais, AQUI

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Jardim do Morro

- Vila Nova de Gaia -


O Jardim do Morro foi construído em 1927, com uma gruta e um lago alimentado por um ponto de água (natural segundo penso), lá existente.

O Jardim do Morro, já foi assim.


Atualmente está conforme as imagens.





É um local muito frequentado especialmente por turistas, para apreciarem uma das melhores vistas para o rio Douro e Centro Histórico das duas cidades.
Antes serão flagelados com as imagens anteriores.
O espaço está completamente degradado e precisa de requalificação integral.
Mas URGENTE seria a limpeza do local, retirando todo o excedente vegetal e o lixo existente.
O Jardim do Morro caracteriza-se como a porta de entrada e a zona mais nobre da cidade, à cota alta da cidade, junto ao tabuleiro superior da Ponte Luís I e no acesso ao Mosteiro da Serra do Pilar.
Tem a paisagem do Porto e o rio Douro como cenário.



terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Lobo do Mar

Esta foto foi tirada da margem do rio Douro, na ribeira de Gaia.
Serve de apresentação ao poema Aleluia de Pedro Homem de Mello.

Este poema esteve patente muitos anos no antigo Estádio das Antas, num quadro de azulejos emoldurados, fazendo parte do cenário do hall de acesso à zona do departamento de futebol profissional, aquando da demolição, ficou intacto ainda com restos de parede e está agora no Museu do F. C. Porto, segundo informação que obtive junto de Armando Pinto do blogue Memória Portista.




                            ALELUIA!

                           Dúvida? Não. Mas, luz, realidade
                           e sonho que, na luta, amadurece.
                           – O de tornar maior esta cidade.
                           Eis o desejo que traduz a prece.
                           Só quem não sente o ardor da juventude
                           poderá vê-la, de olhos descuidados.
                           Porto – palavra exacta. Nunca ilude.
                           Renasce, nela, a ala dos namorados!
                           Deram tudo por nós estes atletas.
                           Seu trajo tem a cor das próprias veias
                           e a brancura das asas dos poetas…
                           Ó fé de que andam nossas almas cheias!
                           Não há derrotas quando é firme o passo.
                           Ninguém fale em perder! Ninguém recua…
                           E a mocidade invicta em cada abraço
                           a si mais nos estreita. A pátria é sua.
                           E, de hora a hora, cresce o baluarte!
                           Lembro a torre dos Clérigos, às vezes…
                           Um anjo dá sinal quando ele parte…
                           São sempre heróis! São sempre portugueses!
                           E, azul e branca, essa bandeira avança…
                           Azul, branca, indomável, imortal.
                           Como não pôr no Porto uma esperança
                           se “daqui houve nome Portugal”?

                           Pedro Homem de Mello
                           (1904-1984)
                               


quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Li-Fi

Segundo os especialistas, em 2019 vão estar em utilização dez mil milhões de dispositivos que usam redes sem fios, públicas e privadas, o que vai esgotar completamente o espectro radioelétrico. Mas já há uma solução: chama-se Li-Fi e usa a luz como meio de transporte para os dados.

«Roubei» esta imagem Aqui:

O que é?
Li-Fi, a abreviatura de Light-Fidelity, é o nome de uma tecnologia semelhante ao Wi-Fi que permite a transmissão de dados através da luz emitida por lâmpadas LED em vez de ondas rádio.
A Li-Fi foi inventada por Harald Haas, professor na Universidade de Edimburgo. Teoricamente, a tecnologia Li-Fi consegue velocidades de transmissão de dados que podem chegar aos 10Gbps, o que é muito superior às das redes Wi-Fi tradicionais. Uma das grandes vantagens é a de permitir a utilização de vários dispositivos num mesmo espaço, sem problemas de interferências entre cada um. Tudo istoé possível porque o espectro da luz visível usado nas redes Li-Fi é dez mil vezes mais amplo que o das ondas radioelétricas usado para fazer funcionar as redes sem fios tradicionais. Outra das vantagens da tecnologia Li-Fi é a possibilidade de utilização em sítios onde as redes sem fios que funcionam através de ondas rádio possam ser perigosas, como em aviões e hospitais.

Como funciona?
No Li-Fi é usada uma lâmpada LED especial que é ligada e desligada de forma tão rápida para transmitir dados, que as alterações são impercetíveis ao olho humano.
Para minimizar possíveis efeitos que as variações de luz possam ter para a saúde, o brilho das lâmpadas é reduzido para uma intensidade quase impercetível.
Apesar de, ao contrário do Wi-Fi, o sinal do Li-Fi não conseguir atravessar paredes, também não é necessário posicionar os vários dispositivos em linha de vista com as lâmpadas que são as fontes da ligação porque, segundo os últimos testes, a luz do emissor Li-Fi que é refletida pelas paredes consegue transmitir dados a velocidades que chegam aos 70 Mbps. 
Tal como já acontece com as redes Wi-Fi, também as Li-Fi já têm um conjunto de padrões que, no futuro, vão servir para regular a construção, homologação e venda de dispositivos com esta tecnologia. Isto vai ainda garantir que haja interoperacionalidade entre eles. Já existem alguns produtos que tiram partido desta tecnologia, como o BeamCaster da empresa russa Stins Coman, que serve para a criação de redes locais. Por enquanto consegue velocidades de transmissão de dados de 1,25GB/s (Gigabytes por segundo). A empresa espera chegar aos 5GB/s numa próxima versão.

Li este artigo, na Revista PC Guia, nº248 de Janeiro 2016.